Eunice

Gostei muito do processo de Coaching e indico a pessoas que, como eu, vivem postergando o que têm realmente que fazer.
Ideias brilhantes sempre surgiram na minha mente, eu me deliciava com elas, às vezes até anotava o que e como faria algo, um projeto que daria excelentes frutos, e um dia encontrava as anotações, das quais nunca mais havia me lembrado.


Me sentia mal com isso, mas não tomava providências, porque nem sabia porque não realizava.
Através deste processo pude conhecer minhas características, meus motivadores, a maneira que tenho de enfrentar situações.
Acredito que uma das características de um bom profissional de Coaching, e que encontrei em Dienny é uma doce energia, uma respeitosa firmeza.
Lidando com uma pessoa bem mais velha, ela se fez autoridade sobre mim, fazendo com que eu reconhecesse as imposições que surgiam para a perfeita realização do trabalho; os aspectos inegociáveis na questão do aproveitamento do tempo e da organização do pensamento.
Olhei para mim, para o que eu era capaz de fazer, o quanto já havia feito e que precisava ser divulgado, e de forma apresentável, com excelência.
Comecei a pensar no fato de nunca me interessar por melhorar minhas condições financeiras. Por que não trabalhar também para ter mais conforto?
Foi bom conhecer meus níveis de interesse, minha forma de satisfazer minhas necessidades básicas. Percebi a necessidade de equilibrá-las.
O resultado desde a primeira sessão até aqui é uma nova pessoa, que se descobriu com seus talentos, sua força.
É um processo que te faz se descobrir, sem agredir sua natureza.
Se não houvesse tantos outros proveitos por ter passado por este processo, já valeria muito o aspecto de um melhor aproveitamento do Tempo.
Eunice Rangel, 62 anos, musicista.